Banda Amen Jr toca música cristã fora dos padrões


Grupo brasiliense acaba de lançar o disco “Sonhar e Viver”, que conta com participação de Mauro Henrique, do Oficina G3.


Caras descolados com tatuagens, alargadores, barba grande e comportamento pouco engessado. Fugindo dos padrões criados e rompendo com as expectativas, o quarteto formado por Ulysses, Will, Carlos e Everton compõe e toca música evangélica. É a banda Amen Jr, que acaba de lançar o álbum “Sonhar e Viver”.

Fortes referências ao indie rock, com ênfase no ritmo do baixo e muito sintetizador. Junto a isso, vocal suave e letras compreensíveis. As nove faixas do álbum “Sonhar e Viver” demonstram, apesar do sobressalente estilo indie, uma produção musical coesa da Amen Jr.

Cena alternativa Há mais de 42,3 milhões de evangélicos no Brasil. Os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) coletados em 2010 revelam que o grupo seguidor da religião protestante é muito significativo. E, com essa grande quantidade de praticantes, é de se esperar que o grupamento evangélico seja diverso em suas manifestações cultuais.

Uma delas é a música. Fugindo ao estigma da família Valadão e de cantoras como Gabriela Rocha e Aline Barros, o terreno musical explorado pela banda religiosa é o do rock. Desde o início, os músicos incorporaram riffs de guitarra característicos do grunge dos anos 90. Entre as referências, também estão Duran Duran, A-Ha e Joy Division.

No total, o grupo tem quatro álbuns. Eles são donos de músicas conhecidas, como “Meu Coração Te Pertence” e “Somos Um”. Agora, apostam em parcerias como na recente “Gratidão”, última faixa do novo disco e que conta também com a voz de Mauro Henrique, do Oficina G3.

Vídeo do Youtube:


Além da sonoridade diferente, a banda aborda temas de interesse da juventude em suas letras, que giram sempre em torno de crescimento pessoal, motivação, formação e manifestação de caráter em sociedade.

Veja a matéria completa aqui

#AmemJr

15 visualizações

Apoio

© 2020 - Site em Creative Commons - SigoSom - PI

© 2017 - Associação de Arte e Cultura Periferia Invisível